LAMPIÃO E O TENENTE CASACA PRETA - DO LIVRO DE JOÃO GOMES DE LIRA

LAMPIÃO E O TENENTE CASACA PRETA

O Sr. Augusto Gouveia residia em Recife e através dos jornais, lia as proezas de Lampião no Sertão. Achava ele que tudo aquilo era alarme dos jornais, que Lampião não era nada daquilo que se comentava. O homem incutiu o desejo de ir ao Sertão, enfrentar o cangaceiro e seu bando. Para isso, apresentou-se ao Dr. Eurico de Souza Leão, chefe da Polícia de Pernambuco. Aquela autoridade estranhou aquele desejo, sabia que o homem estava mal informado a respeito de Lampião. Argumentava Augusto Gouveia, quero mostrar a Pernambuco e ao mundo que tiro a fama do furioso cangaceiro. Para a sua captura, só precisava de seis ou sete soldados, cada um com cinco cartuchos e um maço de cordas para amarrá-lo. Garantiu que o traria preso para o Recife. Dr. Eurico duvidou, achando aquilo inteiramente impossível. Procurou fazê-lo desistir da ideia tão absurda, inclusive disse que, ele era um civil sem conhecimento militar, principalmente das guerrilhas do Sertão, que retirasse do pensamento aquele desejo. Respondeu Augusto Gouveia que na realidade era um civil, sem conhecimento militar, mas queria mostrar que era homem e que vestia calça. Considerando a forte insistência do homem, o Dr. Eurico de Souza Leão resolveu mandá-lo para o Sertão. O Governo o comissionou no posto de Tenente, mandando-o apresentar-se ao Major Theophanes Torres, em Vila Bela (atual Serra Talhada), onde foi duramente aconselhado pelo Major a desistir dessa ilusão, inclusive disse que ele estava seriamente enganado com Lampião, que o mesmo não era de brincadeira. Nada fez o novo oficial desistir, passou então o Major Theophanes à sua disposição sete soldados e todo armamento exigido pelo homem. Por só usar calça preta e paletó marrom, foi logo batizado por Casaca Preta, Casaca de Couro e Garra de Couro, com esses apelidos, ficou Augusto Gouveia conhecido no Sertão de Pernambuco. Através de informações, seguia o Tenente Casaca Preta e seus companheiros a procura de Lampião. Próximo ao distrito de Roças Velhas, no atual município de Calumbi, encontraram-se duas Forças, uma da cidade de Custódia, comandada pelo Sargento Maurício Vieira de Barros e outra da cidade de Flores, comandada pelo Sargento Wanderley, que vinha em perseguição aos bandidos. Entraram em palestra. Terminada a mesma o Sargento Wanderley despediu-se, dizendo que ia voltar para Flores, pelo mesmo caminho, que nada tinha a ver com Lampião. Seguiu o Sargento Maurício na trilha dos bandidos, ao chegar à Fazenda Barreiros, município de Vila Bela, avistaram distante, um homem dando com os braços. Por não saber de quem se tratava, a força ficou na expectativa. O homem vinha montado em um burro, outros vinham armados, e a pé. Aproximou-se o referido homem do Sargento Maurício, perguntou pelos cangaceiros. Respondeu o Sargento Maurício que estavam por perto, apontou para o lado que os mesmos se encontravam. O homem vinha tão exaltado e revoltado que o Sargento Maurício, sem conhecê-lo, pasmou diante de tanta exaltação e revolta. Ficaram pensando de onde vinha aquele louco, comandando aquela Força. O Sargento Maurício perguntou com quem estava falando. O homem respondeu: Está falando com o Tenente Augusto Gouveia (conhecido por Casaca Preta). O Sargento Maurício disse: Seu Tenente Casaca preta, se quiser brigar siga nessa direção, o senhor vai encontra quem procura. Avançou Casaca Preta, ao deparar-se com Lampião, falou muito alto, dando voz de prisão, dizendo que não fizesse ação que ele estava de frente com o Tenente Augusto Gouveia (o famoso Casaca Preta). Lampião, que nunca tinha visto aquilo, estranhou e disse: Seu Casaca Preta da peste te prepara para correr, se você nunca viu homem, vai ver agora. Você é doido, mas na minha volta vai criar juízo, e já! Gritou Lampião para cabroeira: Pega! Pega! Este garra de couro atrevido para arrancar as penas dele de unha. Vamos deixar despenado. Nesse momento, a pipoqueira de tiro foi tão grande em cima de Casaca de Preta que o homem ficou desorientado sem saber para onde correr. O bravo Tenente, vendo a situação esbugalhou os olhos de forma que ficou completamente deformado. Jogou o burro nas águas de um açude existente. Os soldados gritavam: Senhor Tenente, pegue o homem! Desenrole as cordas! Amarre o homem! Pegue o homem!
Dentro do açude, deixou o burro atolado, com todo equipamento, saiu nadando, molhado como um pinto. Os olhos em tempo de saltarem da caixa, fazendo medo a quem o visse; a sua fisionomia não era de gente deste mundo. O homem corria que nem bala pegava. O próprio Lampião foi quem saiu no encalço, gritando: Não corra Casaca de Couro! Não corra, Garra de Couro! Não corra, Casaca Preta! Espera para brigar com Virgulino Ferreira! Escuta o golpe do rifle de Lampião! Garra de Couro, na carreira que ia, mesmo sem freio, entrou em uma casa pela porta da frente saindo por outra. Lampião, que vinha no seu faro, foi entrando na casa e virando tudo, pensando que o homem estivesse escondido dentro de casa. Como não encontrou, perguntou à dona da casa para onde ele tinha corrido. A mulher apontou para um lugar diferente. Seguiu Lampião, não encontrando. Assim aquela mulher, salvou a vida de Casaca Preta. Quando a mulher disse que o homem havia saído correndo, Lampião disse: Homem não, um cabra safado.
Lampião gritava que tinha tirado e acabado com a mandinga e o catimbó de Casaca Preta. A capa do famoso Tenente, os cangaceiros conduziram pendurado na ponta de uma vara, fazendo a maior anarquia. Na carreira, o Tenente Casaca Preta foi sair em Vila Bela de onde voltou para o Recife.

Do livro: Memória de um Soldado de Volante
De: João Gomes de Lira

A Fazenda Barreiros está localizada na aba sul da Serra Grande, município de Serra Talhada. A casa da fazenda ainda tem a marca do tiro que tinha como alvo o Tenente Casaca Preta.

Fotografia da Fazenda Barreiros


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HISTÓRIA DO CEARÁ- AS PRINCIPAIS TRIBOS INDÍGENAS

CORDEL - O QUE SÃO SEXTILHAS

ORIGEM DA FAMÍLIA PINHO NO BRASIL