FELIZ CIDADE - POR MUNDIM DO VALE

VERSOS  LÁ  DE  NÓS - Por Mundim do vale.

FELIZ   CIDADE

Me lembro com emoção
Com tanto tempo depois,
Da rainha do arroz
E o dia da eleição.
Nosso povo em votação
Na total democracia,
Elegeu naquele dia
A jovem Izabel Andrade.
FOI  FELIZ  NOSSA  CIDADE
E  A  GLOBO  NEM  EXISTIA.

Nas debulhas de feijão
Tinha que ter o bendito,
Me lembro de Antonito
Com a sua afinação.
Nas apanhas de algodão
Até criança colhia,
Pois no tempo não havia
A restrição da idade.
FOI  FELIZ  NOSSA  CIDADE
E  A  GLOBO  NEM  EXISTIA.

Lá no Vale do Machado
Não havia violência,
Sua paz foi referência
Para o resto do estado.
Quando tinha delegado
Não tinha delegacia,
Pois lá tinha harmonia
E não criminalidade.
FOI  FELIZ  NOSSA  CIDADE
E  A  GLOBO  NEM  EXISTIA.

Na festa de São Vicente
Tinha a Banda Cabaçal,
Roda de Maneiro Pau
Com Zé Sobrinho na frente.
O leilão juntava gente
Que a rua não cabia,
A capela recebia
As prendas por uma grade.
FOI  FELIZ  NOSSA  CIDADE
E  A  GLOBO  NEM  EXISTIA.

Lembro o terço da Formiga
Um grande encontro de fé,
Ia todo mundo à pé
Ninguém sentia fadiga.
A família sempre amiga
Todo o povo recebia,
Quando fosse o fim do dia
Parava a atividade.
FOI  FELIZ  NOSSA  CIDADE
E  A  GLOBO  NEM  EXISTIA.

A festa de Aparecida
Era alegria pra gente,
Chagas Bezerra na frente
Fazia toda acolhida.
Ninguém falava em bebida
Que a padre não consentia.
Em janeiro acontecia
Depois ficava a saudade.
FOI  FELIZ  NOSSA  CIDADE
E  A  GLOBO  NEM  EXISTIA.

A festa do Padroeiro
Foi grande na região,
No tempo do algodão
Que não faltava dinheiro.
Depois mudaram o roteiro
Trocaram fé por folia
E a Salva do Meio Dia
Já não tem mais qualidade.
FOI  FELIZ  NOSSA  CIDADE
E  A  GLOBO  NEM EXISTIA.

Mundim  do Vale
V. Alegre-Ceará.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HISTÓRIA DO CEARÁ- AS PRINCIPAIS TRIBOS INDÍGENAS

CORDEL - O QUE SÃO SEXTILHAS

ORIGEM DA FAMÍLIA PINHO NO BRASIL